segunda-feira, 7 de Junho de 2010

Discus


História
O Peixe-disco é um animal proveniente da Bacia do Amazonas. Vive em rios pouco profundos e pequenos lagos. O ambiente natural caracteriza-se por ter raízes de árvores submersas e ser junto à margem. As riscas horizontais dos Discus selvagens servem como camuflagem perfeita entre as raízes das árvores.

É um peixe de rara beleza, devido aos vários padrões que possui. É bastante popular entre aquariofilistas, mas não é aconselhado para principiantes, devido às exigências de manutenção.

Aquário
Os Discus necessitam de um aquário já com alguma dimensão, 150 litros. O aquário deve ser alto, com 50 ou 60 cm de altura.

A água do aquário deve ser muito doce, calma e de preferência clara. Estes peixes gostam da água ligeiramente ácida com 5 a 6,5 PH. A temperatura deve estar entre os 28 e os 32ºC e a dureza da água entre os 3 e os 10 dGH.

Um erro comum é pensar que os Discus necessitam de pouca luz. Os Discus adaptam-se bem a qualquer intensidade de luz desde que tenham algumas sombras no aquário. Contudo, os aquários de luz fraca realçam as cores destes peixes e por isso é comum observá-los em ambientes mais escuros.

Temperamento
O Discus ou Peixe-disco é um peixe pacífico que pode ser mantido num aquário com outros da mesma espécies. Não deve ser junto com espécies turbulentas ou agressivas. Pode partilhar o aquário com Coridoras, Tetras cardinais, mas é aconselhável mantê-los em aquários específicos até por causa das exigências da qualidade da água.

Tímido, é muito sensível ao stress e à falta de sítios onde se possa abrigar. Por isso o indicado é manter o aquário em zonas de pouco movimento.

Reprodução
O Peixe-disco é difícil de criar, uma vez que têm exigências muito precisas quanto aos parâmetros da água. Os níveis de amónia e nitratos têm de estar a zero, a temperatura deve estar a 30ºC e o PH entre os 5 e os 6,5. A água deve estar límpida, sem matéria orgânica acumulada.

A escolha do par deve, de preferência, caber aos próprio peixe. Depois, o casal deve ser separado para um aquário de 150 a 200 litros, sem decoração, com a excepção de um tubo de pvc colocado na vertical, para que a fêmea deposite os ovos à volta dele. São depositados entre 100 a 200 ovos de cada vez. Os ovos eclodem geralmente dois a três dias depois.

Quando os alevinos têm dois a três dias, começam a nadar livremente.

domingo, 6 de Junho de 2010

Limpa vidros


História

O Limpa-vidros é um dos mais pequenos peixes comedores de algas. Tem sido cada vez mais utilizado em aquários plantados devido ao seu grande apetite por algas e à sua fácil manutenção e sociabilidade.
Descrição
O Oto é castanho ou verde acastanhado com uma risca preta ao longo do dorso e uma na barbatana caudal, em alguns casos.
Temperamento
Muito pacífico e sociável, é um peixe que adapta-se facilmente qualquer tipo de aquários comunitários.

sábado, 5 de Junho de 2010

Platy

História

Esta espécie é também muito comum e querida entre a maioria dos aquariófilos. A sua rusticidade de cores e forma torna-o numa bela aquisição para aquários. São peixes ideais para aquarios comunitários, pacíficos e atraentes quando em cardume.
Aquário
A água deve ser medianamente dura e alcalina (PH 7.5), e a sua temperatura deve oscilar entre os 22ºC e os 25ºC, podendo chegar aos 27ºC. O Platy gosta de águas calmas. Os aquários devem ter plantas, de preferência naturais.

O Platy é um peixe sociável, tanto com outras espécies como com a própria e por isso adapta-se bem a um aquário comunitário.
Reprodução
São peixes oviviparos e fáceis de se reproduzir. A reprodução ocorre muitas vezes espontaneamente num aquário comunitário. A fecundação é interna e os alevins nascem já formados, cerca de 30 dias depois.
Descrição
Em estado selvagem, o Platy é esverdeado, mas no mercado são mais populares as variedades de cores garridas, tais como o vermelho, amarelo, etc.

A cor e a forma da barbatana dos Platies varia bastante de indivíduo para indivíduo, pois foram desenvolvidas muitas variedades criadas até a partir da hibridização com o Xiphophorus hellerii.

O macho tem geralmente a ponta da cauda mais afiada e é mais pequeno, embora estas diferenças não se verifiquem em todos os exemplares.

Guppy

História

O Guppy foi descoberto por Peters em 1859. O seu habitat original distribui-se por Barbados, Brasil, Guiana, Trinidad e Tobago e Venezuela.

Contudo foram introduzidos noutros países para combaterem as larvas de mosquito e ajudar na luta contra a malária. Apesar de devorarem estas larvas, a sua introdução teve, em alguns casos, uma repercussão negativa da fauna endémica dos países. O guppy pode hoje em dia ser encontrado em todos os continentes, exceptuando na Antártica.

Os exemplares que se encontram nas lojas raramente são exemplares selvagens devido à facilidade de reprodução deste peixe em cativeiro.

É sem dúvida o mais popular peixe entre as espécies de desenvolvimento em cativeiro. Numerosos aquariófilos dedicam-se exclusivamente a esta espécie, criando belíssimos exemplares de colorido diverso e barbatanas de diferentes formatos. Devido à sua resistência e facilidade de reprodução são aconselhados para os iniciantes na aquariofilia.

Temperamento
Pacífico, o Guppy pode ser introduzido em aquários comunitários. Os machos podem por vezes mordem-se mutuamente, por isso geralmente aconselha-se a manutenção de um macho e várias fêmeas. Têm também uma predilecção por caudas exuberantes e podem tentar morder a cauda de outras espécies com longas barbatanas.

Os guppies alimentam-se das crias que produzem, se lhes for dado essa oportunidade. Por isso, estas devem ser alojadas em maternidades e protegidos com o aumento da flora no aquário.

Descrição
É resistente, pacífico, colorido e de fácil reprodução, ocorrendo esta uma vez por mês. O seu comprimento atinge, no macho os 3 cm e na fêmea os 6 cm. As espécies selvagens são castanho acizentadas, sendo o macho mais colorido.
Aquário
O Guppy é um peixe resistente. Gosta de viver em aquários com alguma vegetação, mas aproveitam bem todo o espaço livre do aquário.

O aquário deve ter no mínimo 40 cm de comprimento. Ou seja, um aquário de 30 litros pode alojar um três a quatro exemplares. A proporção de machos e fêmeas deve ser 1 macho para cada três fêmeas. Isto porque os machos tentam constantemente copular, o que pode causar stress numa só fêmea. Devido ao alto potencial reprodutivo, o aquário pode tornar-se facilmente sobrepovoado. Tenha em atenção a esta situação que pode acabar por ditar a morte de todos os exemplares.

Os guppies gostam de nadar perto da superfície.

A água deve ser limpa e ligeiramente alcalina com o PH em torno de 7.2. Os guppies preferem a água dura dureza, em média com o DH a 12.
Variedades
O Guppy tem várias variantes de cor e formato de cauda criadas pela reprodução selectiva destes peixes. Caudas com uma espada, duas espadas, barbatana larga, rectangular, redonda, em espigão, etc. são algumas das formas que podemos observar.
Reprodução
A reprodução é ovovivípara, ou seja os macho copula com a fêmea, que usa o esperma para fertilizar os óvulos. Estes desenvoven-se dentro da fêmea mas sem nenhuma relação com ela, ou seja sem ligação da placenta. Findo o período de gestação, a fêmea liberta os ovos que eclodem pouco tempo depois. O nascimento dá-se entre o 28º e 36º dia, podendo nascer de 30 a 200 alevins de cada postura.

Quando a fêmea está grávida nota-se uma mancha acastanhada perto das barbatanas anais. A temperatura da água deve ser ligeiramente aumentada nesta altura, e mantida entre 26 e 28 ºC.

segunda-feira, 31 de Maio de 2010

Tetra Néon



Descrição

Este é sem dúvida o peixe mais popular entre os amantes da aquarofilia. O dorso é cinza e o ventre prateado o que contrasta com a lista azul desde o olho até à barbatana e com a banda vermelho vivo. O seu comprimento atinge no máximo 3 cm.

Temperamento

É um peixe bastante robusto (a fêmea mais encorpada) adaptando-se facilmente a diferentes ambientes. São bastante inofensivos e pacíficos pelo que se deve evitar misturá-los com espécies mais agressivas.

Aquário

O Tetra Néon é um peixe gregário que gosta de viver em cardume. Adapta-se facilmente a aquários comunitários. A beleza destes peixes é realçada com um fundo preto e uma luz fraca, deixando as escamas iridescentes sobressaírem.A temperatura ideal da água situa-se entre os 21ºC e os 26ºC. É recomendado, para que a faixa azul seja mais brilhante, que a água seja ligeiramente ácida, o que por vezes dificulta a sua mistura com peixes de águas alcalinas (Guppy, por exemplo). A água deve ser mantida com um PH entre 5 e 6. A dureza da água deve baixa, 1 a 2 dGH.O aquário deve ter no mínimo 20 litros para um cardume de 7 indivíduos. Esta espécie gosta de bastantes plantas e troncos para imitar o habitat natural (rio Amazonas). Nunca colocar esta espécie com peixes maiores e territoriais pois podem ser facilmente atacados e ingeridos. Pacíficos, os Tetra Néons podem ser alojados com outros peixes do mesmo tamanho.

Escalar




História

O Escalar é um peixe oriundo da América do Sul, mais concretamente da Bacia do Amazonas e de todos os afluentes. Encontra-se junto às margens de rios e ribeiros.O Escalar é uma das espécies mais populares entre os aquariofilistas. A sua fácil reprodução e manutenção fazem com que seja uma espécie bastante comum no mercado e por isso muito acessível.

Temperamento

O Escalar é um peixe pacífico. Gosta de estar em cardume, mas os peixes devem ser introduzidos no aquário comunitário como juvenis, porque os adultos podem comer os juvenis.

Aquário

Ao comprar este peixe, deve ter em mente o tamanho que atinge em idade adulta, pois o Escalar é commumente vendido por lojista a principiantes que não têm as estruturas necessárias para receber um peixes deste porte.
O aquário de um Escalar deve ter no mínimo 100 litros. Como animal de cardume, o Escalar deve ser mantido em grupos de, no mínimo 4 indivíduos, ou casal.
O PH deve estar entre 6 e 7. A dureza da água deve centrar-se entre 3 e 10 dH. A temperatura pode variar entre os 22ºC e os 28ºC.

Saúde

Este peixe é sensível a água contaminada. O nitrito presente na água nessas condições pode-lhe provocando podridão nas pontas das barbatanas.

Reprodução

A reprodução do Escalar é fácil. O Escalar tende a ser monógamo, sendo difícil juntar um Escalar com outro indivíduo, depois de esse já ter escolhido o seu par.O Escalar atinge a maturidade sexual entre os 6 e os 12 meses, dependendo das condições do aquário. Aos três anos, a frequência do acasalamento decai e pode mesmo cessar.A fêmea deposita os ovos numa superfície por ela escolhida no aquário. Essa superfície pode ser uma planta ou um tubo ou placa em pvc introduzida com esse fim. O macho fertiliza os ovos. Podem ser depositados 100 ou mais ovos, conforme o tamanho e condição física da fêmea. O casal cuida dos ovos em conjunto. Após alguns dias, os ovos eclodem, mas os recém-nascidos mantém-se no mesmo sítio, alimentando-se dos próprios sacos. Ao fim de uma semana, os peixes começam a nadar livremente no aquário.

Variedades

Existem várias variantes do Escalar que se traduzem em belas e diferentes colorações.

Prateado – A coloração encontrada em estado selvagem. De corpo prateado e olhos vermelhos, tem três riscas verticais que variam, tornando-se mais intensas ou mais pálidas, conforme a disposição do peixe.
Dourado – Sem olhos vermelhos ou riscas verticais, a cor deste tipo de Escalares é um castanho claro, semelhante ao dourado.
Zebra - Nesta variedade, o número de riscas verticais é maior, entre 4 e 6. É uma das variedades mais apreciadas. Smokey, Chocolate, castanho, Mármore, Leopardo, Koi, entre outras, são diferentes colorações em que se pode apreciar o Escalar.